Grupo de estudo das obras de andré luiz e






descargar 390.66 Kb.
títuloGrupo de estudo das obras de andré luiz e
página9/9
fecha de publicación23.06.2016
tamaño390.66 Kb.
tipoDocumentos
l.exam-10.com > Documentos > Documentos
1   2   3   4   5   6   7   8   9
Retorna a hanseníase em Lisandra e ela se interna - Na semana do casamento de Gilberto, Lisandra escreveu-lhe longa carta, repassada de ternura, em que rogava aos nubentes perdão pelos problemas que lhes causara e demonstrava sincero, pro­fundo desejo de ressarcir-lhes os incômodos, as preocupações, buscando ser útil de alguma forma no futuro. A carta produziu efeito imediato. Gilberto, comovido, pela primeira vez experimentou sincera piedade, e uma abençoada onda de ternura o en­volveu em relação à irmã. A jovem passou a apresentar, contudo, apesar do melhor equilíbrio psíquico, alterações quanto à saúde física. Como Lisabete e seus familiares já  conhecessem os distúrbios anteriores de que ela fora vítima, resolveu-se consultar um leprólogo local que, feitos os exames específicos, constatou o retorno da hanseníase. Colhidos pelo grave diag­nóstico, e não podendo ocultar-lhe os resultados, os amigos sugeriram-lhe a repetição do tratamento em circunstâncias equi­valentes à da primeira vez. Lisandra, consciente das necessidades evolutivas, espírita lúcida, após informar os pais sobre a ocorrência, confortando-os, solicitou o internamento... Isso não lhe constituiria nenhum desdouro. Ela submetia-se, con­fiante, aos desígnios superiores da vida, sorvendo toda a amargura que lhe restava. Lisabete quis demovê-la do intento, mas a jovem estava diferente, resignada e confiante em Deus. A reencarnação lhe projetara luz nos inúmeros porquês que a afli­giam. Entendia, assim, que ela deveria agora conviver com aqueles que, à sua semelhança, eram comensais dos mesmos delitos. Com os conhecimentos espíritas, poderia animá-los e com a pequena experiência de auxiliar de enfermagem poderia ser útil à Colônia... A despedida de Lisa foi comovente. Lisandra tinha intuição de que não mais voltaria a ver seus familiares com a visão terrena... E pediu à amiga que dissesse a Artêmis, Rafael, Gilberto e Hermelinda quanto ela os amara, e amava ainda, e quanto sofria por havê-los afligido durante o longo exílio. "Após a minha partida, embora não possua mérito algum", acentuou a hanseniana, "rogarei a Jesus abençoá-los e me irmanarei aos diligentes operários da Caridade, a fim de diminuir-lhes as provas e dores... Que estendam à Epifânia, ao Cândido, ao Dr. Armando a minha infinita gratidão..." Enquanto as duas jovens amigas dialogavam, Adelaide inspirava a enferma, mantendo a sustentação de suas forças, no momento importante da existência. Dois dias depois, ela deu ingresso na Colônia de hansenianos da cidade em que então se encontrava. Os Ferguson não puderam reter as lágrimas quando tais notícias chegaram a seu lar, e o pranto só pôde ser dominado quando Hermelinda, inspirada por Natércio, leu a lição "Bem-aventurados os aflitos", constante do cap. V d' O Evangelho segundo o Espiritismo, cujo texto, muito conhecido de todos, adquiria nova dimensão e profundo significado naquele dorido momento. Lisandra, efetivamente, tal como fora intuída, não volveria em corpo físico, na atual conjuntura expurgadora, ao seio da família. (Cap. 28, pp. 275 a 278)
16. O estado de Lisandra se agrava - Apesar da fé robusta que exornava o espírito da família Ferguson, retornaram à sensibi­lidade de Artêmis as apreensões anteriores, a expectativa lúrida de notícias mais afligentes. Ela recordava a filha querida e revia-a sempre melancólica e triste, transitando pela  áspera senda dos resgates, sem que houvesse fruído as alegrias ino­centes da quadra primaveril. Sua vontade era poder revê-la e afagar-lhe a cabeça febril. Nessas evocações, o afeto maternal desatava em lágrimas de imensa agonia, no silêncio da noite, para não inspirar desânimo ou pessimismo ao esposo... A prece era para ela o lenço enxugador do pranto e da transpiração da agonia. No mergulho da oração a que se entregava, confiante, suplicava … Mãe Santíssima que amparasse a filhinha trucidada pela força do imperioso ressarcimento. O sono a tomava, então, já avançadas as horas, quando, exaurida, era vencida pelo cansaço. Gilberto, apesar do clima de felicidade conjugal, tinha a alma pungida ante a recidiva da hanseníase em Lisandra. Uma ternura nascida da piedade emoldurava a memória da irmã ausente, e Tamíris se associava a ele na mesma dor. Na Colônia, Lisandra sofria então acúleos do novo testemunho. Acolhida com espí­rito de caridade pelas religiosas da Colônia, ocupou uma câmara agradável na Enfermaria feminina, podendo ficar a sós... Graças à devotada amiga Lisa, o quarto da enferma parecia um cômodo de jovem sadia... Iniciado o tratamento, o organismo da jovem reagiu violentamente, inspirando cuidados e vigilância especiais. A febre irrompeu devoradora e ela padeceu delírios prolongados, nos quais as imagens depressivas do passado eram liberadas em explosões de riso e lágrimas alternadas, sob cujo efeito o corpo debilitado mais se depauperava. Uma semana depois, a enfermeira-chefe, Carlinda, percebeu que Lisandra não resistiria por muito tempo. No prontuário da enferma, viu que esta possuía uma disfunção cardíaca e compreendeu que as cir­cunstâncias culminariam por vencê-la... Resolveu, então, telefonar a Lisabete, dando-lhe ciência do delicado estado da pa­ciente. (Cap. 29, pp. 279 a 281)
17. Lisandra desencarna - Lisa e seu pai foram visitar a amiga, que falava com muita dificuldade. Lisandra contou-lhes que na véspera havia sonhado com sua avó Adelaide, que lhe explicara haver chegado o momento de sua libertação, depois do demo­rado cativeiro. Lisa falou-lhe, sinceramente comovida, que sentiria muito a sua falta, mas Lisandra lembrou-lhe que a morte não significaria afastamento: elas continuariam juntas. E aproveitou para agradecer tudo quanto recebera em sua casa. "Rogo-lhes informar à mamãe, à titia que os meus últimos pensamentos estão sendo para o Senhor e para elas... Gostaria muito de dizer-lhes quanto as amo e não mereci poder fazê-lo... Que me perdoem tudo...", foram as últimas palavras da filha de Artê­mis, porque, logo após um desmaio, ela não mais volveu à lucidez física, desencarnando ao anoitecer. Natércio, avisado pre­viamente por Adelaide, acorreu na hora aprazada para deslindar o Espírito das últimas vinculações e dos liames com o corpo... À noite, foi expedido telegrama à família e o féretro se realizou no dia imediato. (Cap. 29, pp. 281 e 282)
18. O caso Lisandra concluía a sua primeira etapa - Como a humildade e a resignação lhe assinalassem os últimos meses de existência, Lisandra pôde transubstanciar as energias, o fluido vital e receber dos operosos benfeitores da técnica de de­sencarnação valioso concurso espiritual. Ao se operarem os mecanismos de separação do Espírito, com referência aos despojos físicos, cuidou-se de, nas zonas ou centros da vida vegetativa, que são os últimos a serem movimentados em qualquer processo de desencarnação, extrair-se e dispersar-se convenientemente os fluidos mais densos, que poderiam servir de pasto à vampiri­zação dos parasitas espirituais que habitam as necrópoles. Por outro lado, graças à mudança de atitude mental que se operara na enferma, seus inimigos e perturbadores que teimavam por manter a constrição obsessiva, afastaram-se naturalmente, na su­cessão do tempo. Antes mesmo da desencarnação, Adelaide havia providenciado com Natércio a colocação de dois vigilantes que se revezaram no apartamento da enferma, logo que esta se transferira para o Leprocômio, resguardando assim o recinto dos malfeitores desencarnados que ali pululavam. Concluía-se, pois, com êxito o caso Rafael-Lisandra, na sua primeira etapa. O porvir se encarregaria de dar curso ao programa evolutivo de que ninguém se poderá  eximir, porquanto é da Lei o impositivo do crescimento e da felicidade... O radiograma chegou à casa de Artêmis e Rafael quando a inumação já havia ocorrido, es­tando o Espírito de Lisandra em repouso em local próprio da esfera espiritual. Epifânia, Dr. Armando e Cândido, logo que avisados, prestaram sua solidariedade ao lar amigo, visitado outra vez por inevitável provação. (Cap. 29, pp. 283 e 284)
19. O culto da oração no lar dos Ferguson - Em casa de Artêmis, com a presença do irmão Cássio Martins, presidente do "Francisco Xavier", e de Epifânia, foi realizado um culto de gratidão ao Pai e de intercessão pela filha. Martins fez a ora­ção inicial e Hermelinda leu uma página d' O Evangelho segundo o Espiritismo sorteada para o momento, extraída do capítulo XXIII, item 8: "Deixar aos mortos o cuidado de enterrar seus mortos". "A vida espiritual é, com efeito, a verdadeira vida, é a vida normal do Espírito, sendo-lhe transitória e passageira a existência terrestre, espécie de morte, se comparada ao es­plendor e à atividade da outra", diz parte da mensagem, que, uma vez lida, foi objeto de formosos comentários por parte de Natércio, através da mediunidade psicofônica de Epifânia. O Mentor Espiritual referiu-se, então, com terna alegria, ao pri­meiro dia de Lisandra no Grande Lar, após a travessia difícil, de que recolhia assim abençoados resultados, mediante o justo repouso que desfrutava, após o cansaço, as inquietações e os acerbos sofrimentos. O Instrutor referiu também detalhes quanto à desencarnação de Lisandra e à assistência prestada por Adelaide, e solicitou a todos que se mantivessem em clima de con­fiança e ternura, para auxiliar a jovem em sua readaptação à vida espiritual e no seu posterior despertamento, a fim de que ela pudesse prosseguir os compromissos que ainda lhe restavam. (Cap. 29, pp. 285 a 287)
20. Um singular encontro - O tempo, em sua marcha inexorável, encarregou-se de diminuir a dor da saudade de Lisandra, e seus familiares prosseguiram na obediente faina de edificação do bem. Algum tempo depois, realizou-se no Centro Espírita "Francisco Xavier" uma reunião muito importante, que estabeleceria novos rumos ao caso Rafael-Lisandra. Gilberto e Tamíris foram levados em desdobramento parcial pelo sono a esse encontro, para tomarem conhecimento das tarefas futuras, compare­cendo também na mesma oportunidade os pais de Tamíris, os Ferguson, Cândido, Dr. Armando e Epifânia. Os convidados conserva­vam ali regular lucidez. Sabiam-se reunidos por impositivo de superior vontade, e, diante do Mentor Natércio, sentiam-se custodiados por verdadeiro anjo da caridade. O Amorável Instrutor, dando início à reunião, explicou-lhes desde logo o obje­tivo daquele singular encontro. "A roda das vidas sucessivas traz-nos de volta o que ficou para trás, em carência ou far­tura, como efeito natural da marcha empreendida", asseverou Natércio, que elucidou: "Não sendo a vida mais do que uma suces­são de experiências no corpo e fora dele, formando um todo harmônico a impelir-nos para a frente, é compreensível que numa regularizemos o que noutra defraudamos, num ensejo recebamos o reforço que acumulados no transato". O Instrutor esclareceu, então, que nenhuma ocorrência imprevista sucede em nossa romagem ascensional e mencionou um conhecido texto do Evangelho de Mateus (10:30), em que Jesus afirma: "Quanto a vós até os cabelos das vossas cabeças estão todos contados", para demonstrar que tudo se encontra programado num esquema de equilíbrio e sabedoria transcendentes, embora nossas atitudes possam alterar os quadros das ocorrências a que estamos submetidos, "apressando ou retardando nossa marcha, consoante a direção que impri­mimos ao comportamento pessoal". (Cap. 30, pp. 289 a 291)
21. Somos responsáveis pelas mazelas do mundo - Em seguida, Natércio aludiu aos problemas da Terra, como a miséria moral, os governos despóticos, as guerras, o desespero, a opressão, as paixões dissolventes, advertindo, contudo, que a responsabili­dade por esse estado de coisas pertence a todos nós... "Todos somos responsáveis por tudo, possuindo valores expressivos que devemos investir no esforço representativo de modificar as atuais estruturas, apressando a técnica da vivência do Cristia­nismo, ainda intacta no Evangelho, com que vitalizaremos as aspirações e esforços de enobrecimento para o mundo melhor de amanhã", asseverou o Dirigente Espiritual. "Todo e qualquer contributo de sacrifício e abnegação, quota mínima de que possa­mos dispor, possui significação representativa", acentuou Natércio. E advertiu: "Nesse empreendimento ninguém se pode escu­sar de produzir e colaborar". Natércio lembrou então aos irmãos que o ouviam ser fundamental resistir, erguendo barreiras morais ante os descalabros do momento: "O fracasso ético de uma Nação decorre do desajuste moral da sua família. Quando al­guém cai, a Humanidade tomba com ele, se se ergue, a sociedade se levanta nele... Por esta razão, o esforço pessoal é muito significativo, de valor inapreciável a benefício de todos". (Cap. 30, pp. 291 a 293)
22. Modificar as paisagens terrenas depende de nós mesmos - O Benfeitor Espiritual lembrou, contudo, que nossos piores ad­versários continuam sendo o egoísmo e as paixões criminosas, que jazem e atuam do nosso íntimo para o mundo exterior e, por isso, são mais difíceis de serem combatidos. Esclareceu, todavia, que Jesus vela, paciente, acima das conjunções de dor e treva, aguardando por nossa decisão e integração definitiva nos rumos da verdade, e ponderou: "Cada um pode converter-se em ponte para facultar ao amor atingir os que tombaram na outra borda, e sofrem, ali, sem acesso aos cimos, por falta de uma ligação... Cada qual se converta em irmão do próximo mais próximo, pensando em alçá-lo da queda em que se demora e sustentá-lo nos primeiros novos passos. Depender  do ensejo salutar de nossa parte preservar e manter os estados vigentes de relaxa­mento moral e social, ou modificar as paisagens terrenas, iniciando a empresa em nós mesmos, desde agora..." À medida que Natércio falava, a sala se revestia de substância especial, que iridescia, estimulada pelas vibrações do ambiente, surgindo, em luz, festões de rosas, dispostos em forma de colunas florais, olorizando suavemente o recinto. O Benfeitor assumira uma radiosa beleza que se exteriorizava, impregnando a todos de desconhecida paz. (Cap. 30, pp. 293 e 294)
23. Lisandra reaparece lúcida e feliz - Após ligeira pausa, o Instrutor referiu-se especificamente ao caso dos Ferguson, quando deram entrada na sala Lisandra, perfeitamente refeita, e Ermínio Lopez, ainda em processo de convalescença, amparados por enfermeiros do plano espiritual. A jovem aproximou-se dos familiares e abraçou-os, efusivamente, teleconduzida por Ade­laide. Lisandra expressava-se com facilidade e desembaraço. A vitória sobre as lutas aspérrimas havia-a credenciado para aquela hora de paz e alegria. Natércio então falou: "Temos em Lisandra o exemplo que corresponde à parábola do filho pró­digo. Sofridas mil vicissitudes, resolveu-se pelo retorno ao lar, dispondo-se, honestamente, a reconhecer os erros origina­dos da intemperança e a refazer as experiênias inditosas sob o alto contributo de dor com que se pôde reabilitar. Assim o fez, e os resultados tornaram-se-lhe abençoada messe de reconforto e felicidade. Entretanto, muito ainda deve ser feito. Cessada a dívida, surge a hora dos investimentos em relação ao futuro". O Benfeitor Espiritual explicou então que tanto ela como Ermínio careciam da bênção de um novo corpo, renascendo numa mesma família, para que a fraternidade legítima lhes anu­lasse as últimas reminiscências do sexo em desvario e o amor real se lhes entronizasse nos corações. Seria a oportunidade de reunir novamente Georges, Annette, Ermínio e Jules sob o mesmo teto, mas era preciso, para isso, que Gilberto e Tamíris, sem qualquer imposição ou violência, aceitassem o alvitre. Epifânia, inspiradamente, acercou-se do jovem casal e, segurando as mãos de ambos os nubentes, interrogou: "Então?! Serão os filhos dos seus corpos, porém pupilos dos nossos corações. Que di­zem?" (Cap. 30, pp. 295 e 296)
24. Gilberto e Tamíris aceitam o convite - Tamíris, visivelmente emocionada, fixou o esposo constrangido e respondeu: "O que não farei por amor! Sempre anelei pela glória da maternidade e já pensava em tornar-me mãe da carne alheia, caso não pudesse ser honrada em mim mesma". Depois, dirigindo-se ao esposo, a jovem foi incisiva: "Não receemos, meu amor. O perdão que não enseja reabilitação é anestésico da consciência, e o espírita que mantém receios de qualquer natureza ainda não encontrou Jesus..." Ermínio e Lisandra fixaram os olhos no futuro pai, enquanto o silêncio aguardava. Foi quando Gilberto se ergueu e, dirigindo a palavra a Natércio e o olhar aos candidatos à reencarnação, respondeu: "Neste sagrado teto, onde vigem o amor e a caridade de Nosso Pai, não se pode refugiar a pusilanimidade nem a hipocrisia. Todos conhecem as minhas imperfeições. Por momento rápido me assaltaram receios e tristezas, decorrentes da inferioridade que me é peculiar. Encorajou-me à decisão a oportuna interferência da esposa querida, e, muito sensibilizado, rogo a vossa ajuda, amado Benfeitor, suplicando ao Senhor de todos nós que nos conceda, a mim e à minha esposa, a subida honra, que reconhecemos não merecer, de podermos receber os irmãos Ermínio e Lisandra de volta ao corpo e à ternura do nosso coração..." Gilberto não pôde prosseguir. Natércio, feliz, louvou a bondade do Pai Celestial. Rafael e Artêmis abraçaram o filho e a nora, o mesmo fazendo os familiares de Tamíris. Enquanto isso, Lisandra e Ermínio foram carinhosamente saudados pelos demais amigos presentes, registrando-se justa alegria em todos os Espíritos que participavam do comovente encontro. (Cap. 30, pp. 297 e 298)
25. "Não nos concedas a hora vazia" - Natércio aproximou-se dos futuros pais e informou que, no transcurso daquela mesma se­mana, ele e outras Entidades iriam em visita ao seu lar, para darem início ao processo reencarnatório de Ermínio, que seria seguido, posteriormente, por Lisandra. Rafael, com muito respeito e emotividade, perguntou ao Mentor: "Os meus olhos carnais verão o neto e alcançarão a chegada da netinha?" Natércio respondeu: "Como não! Está  programado que as suas mãos doridas de­verão unir as duas ternas mãos deles nos primeiros encontros da fraternidade e ajudá-los no amor a Nosso Pai. Após a tor­menta demorada chega a paz da bonança tranquilizadora". Rafael perguntou-lhe ainda acerca de Jules Henri, a quem ele houvera prejudicado tanto. Como ser-lhe útil? Como ajudá-lo? O Amorável Instrutor disse-lhe então que Jules já havia retornado à Ter­ra e deveria passar pela aduana da porta do seu coração, em momento próprio, adicionando: "A mais eficiente forma de auxiliá-lo é prosseguir ajudando em cada irmão do caminho a Humanidade inteira". Dito isto, o Mentor aureolou a face com de­licado sorriso. Chegava ao fim a reunião e começavam as despedidas. A pedido dele, Manoel Philomeno de Miranda encerrou com uma prece o memorável encontro, destacando em sua bela oração a valorização constante das horas: "Se não conseguirmos o êxito por nossa imprevidência, enseja-nos, ao menos, a sabedoria que impede o acumpliciamento com o crime. Ensina-nos a va­lorizar o tempo, aplicando-o com elevação. Não nos concedas a hora vazia, a fim de que a ociosidade não nos entorpeça o ca­ráter". Em seguida, todos se retiraram, voltando a seus postos. A manhã, lá  fora, clareava, em festa de luz e cor, enquanto novos rumos convidavam a todos a prosseguir com Jesus, aguardando o futuro. (Cap. 30, pp. 298 a 300)

Londrina, 14/8/1995.

Astolfo O. de Oliveira Filho

(Tramas-6.doc)
1   2   3   4   5   6   7   8   9

similar:

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconMÍdias sociais na estratégia empresarial: um estudo de caso da dell

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconRevista del “Nuevo Grupo”(1970)Publicada en el volumen Ocho obras...

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconPor Luiz Fernando Veríssimo

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconEntrevista con el Dr. Luiz Moura

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconLuiz maklouf carvalho revista Piauí

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconLuiz phelipe de carvalho castro andréS

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconEl teatro de federico garcía Lorca Introducción
«La Barraca», grupo de teatro universitario que, con el apoyo del gobierno republicano, recorre los pueblos de España representando...

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconBiografía y Entrevista a Andre Gorz

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconPhilippe Carles, André Clergeat

Grupo de estudo das obras de andré luiz e iconLa scienza dell’anima di André Dumas






© 2015
contactos
l.exam-10.com