Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito






descargar 50.65 Kb.
títuloPrograma de pós-graduaçÃo da faculdade de direito
fecha de publicación02.07.2016
tamaño50.65 Kb.
tipoPrograma
l.exam-10.com > Historia > Programa


UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE DIREITO
MATÉRIA: METODOLOGIA DA PESQUISA
TRABALHOS SOBRE OS TEXTOS DE FEYERABEND E GADAMER
ALUNO: LUCIANO ROBERTO BANDEIRA SANTOS
Resenha de “Tratado Contra El Método”, de Paul Feyerabend.
O Autor adota uma consepção segundo a qual não há um método específico para a construção do conhecimento.
Defende a pluralidade de métodos, diante da própria variabilidade dos fatos da vida, como inerente ao processo de construção do conhecimento.
Embora o título possa passar uma idéia diferente, o autor não se posiciona contra a adoção de um método, mas mais propriamente contra a ditadura de um método único.
Defende, assim, o que denomina de “anarquismo científico”.
Existen dos razones por las que mi respuesta parece ser adecuada. La primera consiste en que el mundo que deseamos explorar es una entidad en gran medida desconocida. Debemos por tanto mantener abiertas nuestras opciones y no restringirlas de antemano (p. 3)
La idea de un método que contenga principios firmes, inalterables y absolutamente obligatorios que rijan el quehacer científico tropieza con dificultades considerables al ser confrontada con los resultados de la investigación histórica. Descubrimos entonces, que no hay una sola regla, por plausible que sea, y por firmemente basada que esté en la epistemología, que no sea infringida en una ocasión u otra. Resulta evidente que esas infracciones no son sucesos accidentales, que no son consecuencia de una falta de conocimiento o de atención que pudiera haberse evitado. (p. 6)
Y esto no es una excepción sino el caso normal; las teorías devienen claras y 'razonables' sólo después de que lãs partes incoherentes de ellas han sido utilizadas durante largo tiempo. Así pues, este prólogo irrazonable, ametódico y sin sentido resulta ser un prerrequisito inevitable de claridad y éxito empírico. (p. 9)
Resulta claro, pues, que la idea de un método fijo, o la idea de una teoría fija de La racionalidad, descansa sobre una concepción excesivamente ingenua del hombre y de su contorno social. A quienes consideren el rico material que proporciona la historia, y no intenten empobrecerlo para dar satisfacción a sus más bajos instintos y a su deseo de seguridad intelectual con el pretexto de claridad, precisión, 'objetividad', 'verdad', a esas personas les parecerá que sólo hay un principio que puede defenderse bajo cualquier circunstancia y en todas las etapas del desarrollo humano. Me refiero al principio todo sirve. (p. 10)
Todas estas cosas no son más que efectos marginales de una actividad a la que se dirige ahora su atención y que consiste en 'hacer de la causa más débil la causa más fuerte' como dijo el sofista, y por ello en apoyar el movimiento de conjunto.(p. 12)
La respuesta es clara: no podemos descubrirlo desde dentro. Necesitamos un critério externo de crítica, necesitamos un conjunto de supuestos alternativos o en otro caso, ya que tales supuestos habrán de ser muy generales, necesitamos construir, por decirlo así, un mundo alternativo completo, necesitamos un mundo soñado para descubrir los rasgos del mundo real en el que creemos habitar (mundo que, de hecho, quizá no sea más que otro mundo soñado). (p. 13/14)
En consecuencia, aumentar el número de hechos relevantes es um procedimiento seguro. Aumentar el número de alternativas factualmente adecuadas, pero incompatibles, no es un procedimiento seguro. Cabría añadir que no se excluyen las construcciones formales que aumenten la elegancia, la simplicidad, la generalidad y la coherencia. Pero una vez que se hayan efectuado tales construcciones, parece ser que lo único que le queda por hacer al científico es la recogida de hechos para llevar a cabo la contrastación.(p. 17)
Los resultados observacionales hablarán también em favor de la teoría, puesto que están formulados en sus términos, se tendrá La impresión de haber llegado por fin a la verdad. Al mismo tiempo, resulta evidente que se ha perdido todo contacto con el mundo y que la estabilidad conseguida, La apariencia de verdad absoluta, no es otra cosa que el resultado de un conformismo absoluto.(p. 22)
No existe ninguna idea, por antigua y absurda que sea, que no pueda mejorar El conocimiento. Toda la historia del pensamiento está subsumida en la ciencia y se usa para mejorar cada teoría particular. Tampoco se eliminan las interferências políticas. Puede hacer falta superar el chauvinismo científico que rechaza lãs alternativas al status quo. (p. 23/89)
Toda la historia de una materia es utilizada en el intento por mejorar su más reciente y avanzado, estadio. La separación entre historia de la ciencia, su filosofía y la ciencia misma, se desvanece en el aire y lo mismo sucede con la separación entre ciencia y no-ciencia (p. 24)
La razón, según una respuesta habitual, radica en que tratamos con aproximaciones. Las fórmulas de la física clásica no aparecen porque la relatividad sea incompleta. Ni se usa el caso de simetría central porque la relatividad no ofrezca nada mejor. Ambos esquemas se derivan de la teoría general en circunstancias especiales que se realizan en nuestro sistema planetario siempre que emitamos magnitudes que sean demasiado pequeñas como para ser tenidas en cuenta. En consecuencia, la teoría de la relatividad se usa en toda su amplitud, y se usa de una manera adecuada. (p. 32)
La consideración de todas estas circunstancias, términos observacionales, núcleo sensorial, ciencias auxiliares, sustrato especulativo, sugiere que una teoría puede ser inconsistente con la evidencia, no porque no sea correcta, sino porque la evidencia esté contaminada (p. 36)
Son instrumentos para constituir el campo, como el mismo Bacon dijo. Eliminad todas las interpretaciones y eliminaréis también la capacidad de pensar y de percibir. (p. 44)
Por tanto, Galileo empleó de hecho hipótesis ad hoc. Y fue bueno que lo hiciera. De no haber empleado hipótesis ad hoc en esta ocasión hubiera tenido que emplearlas de todos modos, pero esta vez con respecto a una teoría antigua. En consecuencia, ya que no se puede evitar ser ad hoc es mejor serlo respecto a una teoría nueva, pues uma teoría nueva, como todas las cosas nuevas, dará un sentimiento de libertad, estímulo y progreso. Hay que aplaudir a Galileo porque prefirió proteger una hipótesis interesante a proteger una hipótesis gastada. (p. 61)

Resenha de “Verdade e Método” de Hans-Georg Gadamer.
O autor apresenta uma densa obra sobre o que poderia ser considerada uma Filosofia Hermenêutica baseada na linguagem.
Para Gadamer, o objeto não existe, como compreendido, de uma forma independente da linguagem. A compreensão do objeto, e o próprio mundo fático são inseridos na linguagem.
O autor resgata questões, a exemplo do nominalismo, que já eram debatidas desde a filosofia grega, confessando-se um adepto de Platão.
A idéia central do texto parece ser o resgate da idéia de uma relação de necessariedade entre compreensão e linguagem.
A experiência do mundo social histórico não se eleva a uma ciência com o processo indutivo das ciências da natureza. Seja o que for que aqui venha a significar ciência, e mesmo que em todo conhecimento histórico esteja incluído o emprego da experiência genérica no respectivo objeto de pesquisa - o conhecimento histórico não aspira, no entanto,, a abranger o fenômeno concreto como no caso de uma regra geral. O caso individual não serve simplesmente para confirmar uma legalidade, a partir da qual seja possível, numa reversão prática, fazer previsões. Mais do que isso, seu ideal é compreender o próprio fenômeno na sua concreção singular e histórica. Nesse particular, pode influir ainda quanta experiência genérica se quiser: o objetivo não é confirmar nem ampliar essas experiências genéricas, para se chegar ao conhecimento de uma lei, ou seja, como é que, afinal, se desenvolvem os homens, os povos, este povo, este estado é o que ele se tornou - dito genericamente: como pode ter acontecido que agora é assim. (p. 40)
Seu ideal é, antes, compreender o próprio fenômeno na sua concreção singular e histórica. Por mais que a experiência geral possa operar aqui, o objetivo não é confirmar nem ampliar essas experiências gerais, para se chegar ao conhecimento de uma lei – por exemplo, como se desenvolvem os homens, os povos, os estados -, mas compreender como este homem, este povo, este estado é o que veio a ser; dito genericamente, como pode acontecer que agora é assim. (p. 41)

Nessa formulação observa-se que para Dilthey o conhecimento científico implica a dissolução dos vínculos vitais, a conquista de uma distância em relação à própria história, pois somente isso possibilita considerá-la como objeto. (p. 44)
Já nessa descrição Hegel sobre a formação prática reconhece-se a determinação fundamental do espírito histórico: reconciliar-se consigo mesmo e reconbhecer-se- a si mesmo no ser-outro. Essa determinação se torna ainda mais clara ana idéia da formação teórica, pois comportar-se teoricamente já é, como tal, um alheamento, ou seja, uma exigência “ de se ocupar com um não-imediato, com algo de natureza estranha, com algo da reminiscência, que pertence à memória e ao pensamento. (p. 53)
O conceito moderno da ciência e o conceito de método a ele subordinado não podem ser suficientes. O que faz das ciências do espírito uma ciência é mais compreensível com base na tradição do conceito de formação do que da idéia de método da ciência moderna. Trata-se da tradição humanística, à qual iremos nos reportar. Na sua resistência contra as exigências da ciência moderna, ela está ganhando um novo significado. (p. 59)
O conceito de common sense ocupa uma função realmente central e sistemática na filosogia dos escoceses, que polemizam tanto contra a metafísica quanto contra sua dissolução cética e edificam seu novo sistema sobre juízos originários e naturais do common sense. (p. 69)
O interesse de Oetinger é mostrar que não importa somente a clareza dos conceitos; ela “não é suficiene para um conhecimento vivo”. São necessários também “certos sentimentos prévios e certas inclinações. Mesmo sem demonstrações, os pais sentem-se inclinados a cuidar de seus filhos: o amor não faz demonstrações, mas arrasta o coração, muitas vezes, contra a razão, contra a reprimenda que se ama. (p. 72)
O que surge com a incondicionalidade de um mandamento moral não pode ser baseado num sentimento, mesmo quando este é compreendido não como individualidade do sentimento mas como caráter comum da sensibilidade ética. Pois o caráter do mandamento, próprio da moralidade, exclui fundamentalmente a reflexão comparativa com outros. (p. 79)
Do alcance daquilo que se poderia chamar de uma capacidade de julgamento sensorial resta, para Kant, o julgamento do gosto estético. Aqui se pode falar de um verdadeiro sentido comum. Por mais duvidoso que possa ser, se a gente pode ou não falar do gosto estético do conhecimento, e por mais certo que seja que no juízo estético não se pode julgar de acordo com conceitos, uma coisa é certa: a de que por gosto estético, pensa-se a necessidade da determinação universal, mesmo que o gosto seja sensorial e não conceituai. Por isso, o verdadeiro sentido comum, diz Kant, é o gosto. (p. 81)
O que o conceito do gênio produz é pois apenas comparar esteticamente os produtos das belas artes com a beleza da natureza. Também a arte é vista esteticamente, isto é, também ela é um caso para o juízo reflexo. O que é trazido à tona intencionalmente - e, nesse sentido, plenamente adequado ao fim - não deve ser relacionado a um conceito, mas pretende agradar, com relação ao mero julgamento - tal qual o belo natural. "As belas artes são arte do gênio", não significa nada mais do que o seguinte: também para o belo, não existe na arte nenhum outro princípio de julgamento, nenhuma medida de conceito ou de conhecimento, a não ser o da conveniência (Zweckmãssigkeit) para o sentimento da liberdade no jogo de nossa capacidade de conhecimento. (p. 110)
Em lugar disso, não perguntamos à experiência da arte o que ela mesma acredita ser, mas o que ela é na verdade o que é sua verdade, ainda que não saiba o que é e não possa dizer o que sabe; da mesma forma como Heidegger perguntou pelo que é a metafísica, em contraposição ao que ela pensa de si mesma. Na experiência da arte vemos uma genuína experiência, que não deixa inalterado aquele que a faz, e perguntamos pelo modo de ser daquilo que é assim experimentado. Assim, podemos ter experança de compreender melhor qual é a verdade que nos vem ao encontro ali. (p. 173)
Preconceito" não significa pois, de modo algum, falso juízo, pois está em seu conceito que ele possa ser valorizado positivamente ou negativamente. É claro que o parentesco como praejudicium latino torna-se operante nesse fato, de tal modo que, na palavra, junto ao matiz negativo, pode haver também um matiz positivo. Existem préjugés legitimes. Isso encontra-se muito distante de nosso atual tato lingüístico. (p. 407)
Para começar, podemos apelar à história esquecida da hermenêutica. Antes era coisa lógica e natural que a tarefa da hermenêutica fosse a de adaptar o sentido de um texto à situação concreta a que este fala. (p. 460)
Assim como na conversação, a interpretação é um círculo fechado na dialética de pergunta e resposta. E uma verdadeira relação vital histórica, que se realiza no medium da linguagem e que também, no caso da interpretação de textos, podemos denominar "conversação". A lingüisticidade da compreensão é a concreção da consciência da história efeitual. (p. 567)
Em si, todo escrito levanta a pretensão de ser alentado por si mesmo no lingüístico, e esta pretensão de autonomia de sentido vai tão longe que inclusive uma leitura autêntica, por exemplo, a de um poema pelo seu autor se torna questionável, no momento em que a intenção dos ouvintes se afasta do ponto a que nós, como aqueles que compreendem, realmente estamos orientados. Posto que o que importa é a comunicação do verdadeiro sentido de um texto, sua interpretação se encontra submetida a uma norma que se pauta no assunto em questão. E esta a exigência que coloca a dialética platônica, quando procura fazer valer o logos como tal, e deixa, às vezes, para trás o seu companheiro real de diálogo no curso desse empenho. E mais, a debilidade específica da escrita, sua maior necessidade de auxílio, em comparação com o falar vivo, tem como reverso o fato de que faz sobressair a tarefa hermenêutica da compreensão com dobrada clareza. (p. 574)
O modo de ser da linguagem que chamamos "uso lingüístico geral" limita ambas teorias: o limite do convencionalismo é o de que não se pode alterar arbitrariamente o que as palavras significam, se tem de haver linguagem. O problema das "linguagens privadas" mostra as condições sob as quais se encontram essas mudanças de nomes. O próprio Hermógenes dá um exemplo no Crátilo: a mudança de nome de um criado. Só a heteronomia interna do mundo vital do criado, a fusão de sua pessoa com a sua função, torna possível o que, noutro caso, na pretensão da pessoa de manter seu próprio ser para si, sua honra, fracassaria. Também os meninos e os amantes têm "sua" língua, através da qual se^entendem num mundo que só é próprio deles: Mas mesmo isso, não se faz por imposição arbitrária, mas por cristalização de um hábito lingüístico. O pressuposto da "linguagem" é sempre o caráter comum de um mundo, ainda que seja somente um joguete. (p. 591)
Com esse dado concorda também o fato de que Aristóteles confira sempre maior importância ao modo como se torna visível, no falar sobre as coisas, a ordem destas. (As "categorias" - e não somente o que em Aristóteles recebe expressamente esse nome - são formas de enunciação). A conceituação que a linguagem realiza não somente é empregada pelo pensamento filosófico, mas até ampliada por este, em determinadas direções. Já antes nos havíamos reportado ao fato de que a teoria aristotélica da formação dos conceitos, a teoria da epagogé, podia ser ilustrada com o aprendizado do falar pelas crianças58. E de fato, embora também para Aristóteles seja fundamental a desmitificação platônica da fala - motivo decisivo de sua própria elaboração da "lógica" - e ainda que ele próprio tivesse o maior empenho em copiar a ordem da essência, lançando mão conscientemente da lógica da definição, e em particular na descrição classificatória da natureza, assim como em livrá-la de todos os acasos lingüísticos, ele mesmo fica atado por completo à unidade de linguagem e pensamento. (p. 626)
Tampouco a explicação copernicana do cosmo conseguiu, introduzindo-se no nosso saber, fazer que para nós o sol deixe de se pôr. Não existe nenhuma incompatibilidade entre a sustentação de certas aparências e a compreensão racional de que no mundo as coisas são invertidas. E não é, na realidade, a linguagem o que intervém, promovendo e conciliando, nessa estratificada compreensão da vida? Nossa maneira de falar do pôr-do-sol não é certamente arbitrária, mas expressa uma aparência real. (p. 651)
Na medida em que a experiência hermenêutica contém um acontecer lingüístico, que corresponde à representação dialética de Hegel, também ela participa numa dialética, que desenvolvemos acima, como dialética de pergunta e resposta. Como já vimos, a compreensão de um texto transmitido tem uma relação interna essencial com a sua interpretação, e ainda que esta seja, por sua vez, sempre um movimento relativo e inconcluso, a compreensão alcança nela sua perfeição relativa. (p. 682)


Questão Debate.
Lendo o texto, sem preconceitos quanto ao título, qual é a visão de Feyerabend sobre a utilização de método(s) na investigação científica?
Como já afirmado acima, o autor não se posiciona contra a utilização de métodos na investigação científica, mas tão somente contra uma ditadura do método único, em especial contra a adoção de uma determinada ideologia metodológica e científica pelo Estado a ser imposta a todo o setor científico sob pena de qualificação de qualquer produção fora deste método como não-ciência.
Rebela-se contra a existência de um método universal e prega uma pluralidade metodológica que entende ser indispensável diante da diversidade de questões oferecidas pelo mundo.
Defende o que chama de “Anarquismo Científico”.
La idea de un método que contenga principios firmes, inalterables y absolutamente obligatorios que rijan el quehacer científico tropieza con dificultades considerables al ser confrontada con los resultados de la investigación histórica. Descubrimos entonces, que no hay una sola regla, por plausible que sea, y por firmemente basada que esté en la epistemología, que no sea infringida en una ocasión u otra. Resulta evidente que esas infracciones no son sucesos accidentales, que no son consecuencia de una falta de conocimiento o de atención que pudiera haberse evitado. (p. 6)

Compare as idéias de "preconceito" e de "tradição", abordadas por GADAMER, com os "ídolos" descritos por BACON e as "pré-concepções", tal como vistas por DURKHEIM.

Para BACON, os ídolos são obstáculos a serem superados, sob pena de inviabilizaren uma pesquisa científica frutífera e produtiva. O Pesquisador precisa lutar contra os ídolos, se despir dos mesmos, ou não estará apto a alcançar “a verdade”.
Num sentido semelhante são as pré-concepções para Durkheim. O sociólogo pecisaria se desapegar das mesmas para conesguir uma melhhor compreensão dos fatos sociais.

Já Gadamer entende que não há como se afastar dos pré-conceitos, e que é preciso usá-los como auxiliares na compreensão. Na verdade, o preconceito de Gadamer deve ser compreendido como pré-julgamentos, ou seja, julgamentos realizados em etapas anteriores que são indispensáveis como passos no caminho para um julgamento posterior.
“2.1.2. Os preconceitos como condição da compreensão

a) A reabilitação de autoridade e tradição Este é o ponto de partida do problema hermenêutico. Por isso havíamos examinado o descrédito do conceito do preconceito no Aufklàrung. O que, sob a idéia de uma autoconstrução absoluta da razão, se apresenta como um preconceito limitador, é parte integrante, na verdade, da própria realidade histórica. Se se quer fazer justiça ao modo de ser finito e histórico do homem, é necessário levar a cabo uma drástica reabilitação do conceito do preconceito e reconhecer que existem preconceitos legítimos. Com isso a questão central de uma hermenêutica verdadeiramente histórica, a questão epistemológica fundamental, pode ser formulada: em que pode basear-se a legitimidade de preconceitos? Em que se diferenciam os preconceitos legítimos de todos os inumeráveis preconceitos cuja superação representa a inquestionável tarefa de toda razão crítica?” (p. 416)

REDAÇÃO DE APROVEITAMENTO
Feyerabend, contribui na mesma linha que outros autores, como Boaventura, Popper e Khun, de forma a justificar uma pluralidade metodológica e, quiçá, a adoção de uma metodologia heterodoxa desde que de forma fundamentada. Permite-se assim um diálogo entre os diversos métodos à disposição e se possibilita a refutação ou prevenção a críticas advindas pela não adoção de um determinado método.
De Gadamer podemos aproveitar, entre outras questões levantadas, a que diz respeito ao resgate do “preconceito” e da tradição, além da historicidade. É interessante notar que as mesmas são amplamente passíveis de uso em qualquer pesquisa jurídica ante à inegável e até mesmo imprescinbilidade de apoiar as conjecturas levantadas em argumentos de autoridade como a jurisprudência e a doutrina.

Añadir el documento a tu blog o sitio web

similar:

Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito iconPrograma de pós-graduaçÃo em direito

Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito iconPrograma de Pós-graduação em Direito

Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito iconPrograma de Pós-graduação em Direito

Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito iconPrograma de Pós-Graduação

Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito iconCursos de pós-graduaçÃO

Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito iconPrograma 1 Direito à Memória e à Verdade / Cidadania lgbt / Combate à tortura

Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito iconUniversidade federal da bahia mestrado de direito

Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito iconManual do pós-graduando

Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito iconDirección completa: Pos

Programa de pós-graduaçÃo da faculdade de direito iconSantos, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências na transição...






© 2015
contactos
l.exam-10.com